Favorito das eleições na Espanha busca novo ministro de Economia

O líder da oposição de centro-direita Mariano Rajoy, favorito para ganhar as eleições parlamentares da Espanha de 20 de novembro, está buscando uma figura respeitada internacionalmente para ser ministro da Economia, para conquistar investidores nervosos com o aprofundamento da crise da zona do euro.

PAUL DAY, REUTERS

10 de novembro de 2011 | 13h01

Analistas e pessoas de dentro do Partido Popular (PP), de Rajoy, dizem que ele quer um gestor com influência e experiência, mas não necessariamente alguém do partido.

O PP poderá separar o Ministério da Economia em dois, um para a economia e um para finanças, assim como era durante o último governo de centro-direita.

As pesquisas indicam que Rajoy deverá derrotar os socialistas, que estão no poder há mais de sete anos. Ele pretende implementar cortes de gastos e reformas econômicas drásticas que possam retomar a produção a médio prazo, mas vão empurrar a economia para a recessão no próximo ano.

Veja alguns dos nomes mais citados para ministro da Economia por fontes políticas e financeiras:

Luis de Guindos (51)

De Guindos é diretor da respeitada escola de negócios espanhola Instituto de Empresa e membro independente do conselho do grupo de energia Endesa.

Ele foi secretário de Economia -- uma posição de alto escalão que se reporta ao ministro da Economia -- durante o governo do primeiro-ministro conservador José María Aznar, de 2002 a 2004. Também ocupou outros cargos importantes dentro do ministério a partir de 1996.

De Guindos foi presidente-executivo do Lehman Brothers Espanha e Portugal entre 2006 e 2008, e posteriormente foi responsável pela divisão financeira da PriceWaterhouseCoopers.

Cristóbal Montoro (61)

Montoro chefia a equipe econômica do Partido Popular e atua como uma espécie de ministro da Economia paralelo. Ele tem uma cadeira no Parlamento Europeu pelo PP, assim como na Câmara Baixa do Parlamento, na Espanha.

Montoro foi secretário da Economia, também sob o governo de Aznar, de 1996 a 2000, e ministro da Fazenda de 2000 a 2004.

Josep Piqué (56)

Empresário e político catalão, Josep Piqué é o presidente do conselho da companhia aérea espanhola Vueling e presidente do influente instituto Círculo de Economia, de Barcelona.

Ele serviu no governo do PP de 1996 a 2003, primeiro como ministro da Indústria, depois como porta-voz do governo e, mais tarde, como ministro das Relações Exteriores e ministro da Ciência.

Fernando Becker (56)

Chefe de recursos corporativos no grupo espanhol de energia Iberdrola, Becker tem doutorado em Economia.

Anteriormente, ele foi o presidente do credor estatal, o Instituto de Crédito Oficial, sob o governo de Aznar, até 1999.

Ele também atuou como consultor de economia para o governo regional de Castilla y León.

Francisco González (67)

González é presidente do conselho e presidente-executivo do BBVA, segundo maior banco da Espanha, desde 2000. Ele também é o vice-presidente do Instituto de Finanças Internacionais e tem uma cadeira no comitê consultivo internacional do Federal Reserve de Nova York.

Tudo o que sabemos sobre:
ESPANHANOVOGOVERNOMINISTRO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.