Filho de Bin Laden é proibido de entrar no Reino Unido

Governo diz que Omar ainda tem ligação com o pai e que sua presença 'indesejável' provocaria alarme público

Efe,

30 de abril de 2008 | 10h17

As autoridades britânicas proibiram que um dos filhos de Osama bin Laden, o terrorista mais procurado do mundo, entrasse no Reino Unido, onde pretendia viver com sua segunda esposa, uma avó britânica que tem quase o dobro de sua idade. Os funcionários que trataram do caso comunicaram a Omar Osama bin Laden, de 27 anos, que foram encontradas evidências de que ele continua leal a seu pai, considerado o principal responsável pelos atentados terroristas de 7 de julho de 2005, que mataram 52 pessoas em Londres.   O jovem Bin Laden apresentou recurso contra a decisão das autoridades do Reino Unido de negar-lhe o visto. Ele argumentou que não é justo ter a entrada no país proibida apenas pelo fato de ser filho do terrorista, informa o diário The Times. A solicitação foi rejeitada por um funcionário da Embaixada britânica no Cairo, que afirmou que sua presença no Reino Unido seria "indesejável" em função do alarme público que provocaria.   "Suas declarações recentes indicam que o senhor continua sendo leal a seu pai, e sua presença no Reino Unido poderia gerar uma forte inquietação na opinião pública", explicou o funcionário para justificar a recusa.   Omar e sua esposa apresentaram recurso a um juiz de imigração após qualificar a decisão de "injusta e arbitrária", e assinalaram que não há provas de que sua presença no Reino Unido pudesse representar um perigo para a segurança. Ele deixou a Arábia Saudita na infância, quando seu pai foi expulso do país por suas crenças extremistas e a família se exilou no Sudão, e depois no Afeganistão.   O jovem afirma que abandonou seu pai antes dos ataques de 11 de Setembro, e retornou à Arábia Saudita, onde se dedicou ao comércio de metais. Ele conheceu sua segunda e atual esposa, uma britânica de 52 anos que antes se chamava Jane Felix-Browne, no Egito, em setembro de 2006, e depois desse novo casamento se divorciou de sua primeira mulher.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.