Físico trocou e-mails com contato na Al-Qaeda, diz fonte

Homem que trabalhava no Cern foi detido na semana passada; irmão dele foi liberado pela polícia no sábado

Agência Estado, Associated Press

11 de outubro de 2009 | 12h13

Um físico francês de origem argelina detido na semana passada admitiu a investigadores que mantinha contato via correio eletrônico com um contato ligado ao ramo da rede extremista Al-Qaeda no norte da África, revelou uma fonte ligada ao inquérito.

 

O funcionário francês disse que as mensagens de e-mail continham discussões vagas sobre ações extremistas, mas, aparentemente, não apresentavam nada com relação a um plano concreto. A fonte no judiciário francês conversou sob a condição de anonimato porque a investigação ainda está em andamento.

 

O francês de origem argelina detido na semana passada era um dos mais de 7.000 cientistas envolvidos nos trabalhos do Grande Colisor de Hádrons, da Organização Europeia para a Investigação Nuclear (Cern, na sigla em inglês) o maior laboratório atômico envolvido nas pesquisas com colisão de partículas.

 

O físico de 32 anos e seu irmão foram detidos na quinta-feira em Vienne, no sudeste da França, sob suspeita de envolvimento em planos de terrorismo. A fonte revelou que o irmão do cientista foi liberado sem acusações pendentes.

Tudo o que sabemos sobre:
Al-QaedaParisFrançaCernterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.