Fogos de artifício marcam fim do dia em Kosovo

Independência foi declarada em sessão extraordinária do Parlamento; governo sérvio não reconhece

Efe,

18 de fevereiro de 2008 | 02h14

A separatista província sérvia do Kosovo fechou neste domingo, 17, seu primeiro dia de independência com fogos de artifício no centro de Pristina, após um show que contou com a presença de vários artistas. No final do show subiram ao palco o primeiro-ministro, Hashem Thaçi, e o presidente, Fatmir Sejdiu. Veja também:ONU não chega a consenso sobre independência do KosovoKosovo declara independência da Sérvia'Sérvia nunca reconhecerá o Kosovo', diz presidenteRússia quer que ONU anule independência de KosovoKosovo tem explosões e tensão após independência Kosovo: independência aumenta abismo entre Rússia e OcidenteEntenda o que está em jogo em KosovoMapa: a disputa dos Bálcãs  Após ser recebido com muitos aplausos, o ex-líder guerrilheiro e atual chefe de Governo parabenizou todas as famílias kosovares pela independência proclamada neste domingo. "Que haja paz e estabilidade no Kosovo. O Kosovo é um Estado soberano e democrático", afirmou Thaçi a milhares de cidadãos reunidos na praça central da capital. Os fogos de artifício foram acompanhados por tiros para o alto. Durante o dia, pelo menos quatro pessoas ficaram feridas, sendo duas delas menores de idade. O Kosovo declarou sua independência da Sérvia em uma sessão extraordinária do Parlamento em Pristina. A Sérvia anunciou imediatamente que nunca reconhecerá o novo Estado, enquanto a Rússia convocou uma reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU. Sejdiu tinha pedido à comunidade internacional o reconhecimento diplomático da independência, o que deve ser feito por Estados Unidos e algumas países da União Européia. Por outro lado, os sérvio-kosovares, que representam uma minoria de cem mil pessoas na província, de 2 milhões de habitantes, anunciaram manifestações para segunda-feira em rejeição à independência. Em Belgrado ocorreram distúrbios em frente às legações dos Estados Unidos e da Eslovênia (país que preside a UE este semestre), mas a situação no Kosovo é tranqüila. A única exceção foram ataques de granada no norte da cidade de Mitrovica, habitado por muitos sérvios, contra edifícios da ONU e da UE. Os ataques deixaram apenas danos materiais. Conselho de Segurança O Conselho de Segurança da ONU, profundamente dividido sobre os próximos passos a dar após a declaração unilateral de independência do Kosovo, encerrou sua reunião deste domingo sem uma posição de consenso, à espera do que os ministros de Assuntos Exteriores da União Européia decidirão. A reunião da UE está marcada para esta segunda-feira, 18.  Nenhum país membro do Conselho de Segurança da ONU apoiou o pedido da Rússia para declarar como "nula e improcedente" a proclamação de independência do Kosovo, ex-província sérvia, segundo a agência de notícias France Presse. Após a reunião de emergência do conselho para tratar do assunto, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, fez um apelo para que Sérvia e Albânia parem com a violência nos Bálcãs e não cometam nenhum ato que possa colocar em risco a paz na região após a independência no Kosovo, declarada neste domingo.

Mais conteúdo sobre:
Kosovo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.