Força africana no Mali já tem 1.000 soldados, diz França

Já há mil soldados de nações da África Ocidental e do Chade no território do Mali, formando a base para uma força que irá combater rebeldes islâmicos no país, disse um porta-voz militar francês nesta segunda-feira.

Reuters

21 de janeiro de 2013 | 19h28

A força africana, autorizada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e conhecida pela sigla Afisma, poderá ter vários milhares de soldados. Atualmente, ela está composta por 830 militares do bloco regional Cedeao (de países como Togo, Benin, Níger e Nigéria), e mais 170 do Chade.

Eles colaboram com os 2.150 membros da força de intervenção francesa, que por sua vez ajuda o Exército malinês a conter os rebeldes. A França, que colonizou o Mali, já promoveu 140 bombardeios aéreos no país desde o início da sua campanha, em 11 de janeiro, segundo o porta-voz.

Nesta segunda-feira, blindados franceses e malineses chegaram à região da cidade de Diabaly, no centro do país, de onde os rebeldes ligados à Al Qaeda bateram em retirada.

Um voo dos Estados Unidos levando apoio logístico aos militares franceses chegou na noite de domingo ao Mali, segundo o porta-voz. Aviões cargueiros de outros países europeus já pousaram no país.

(Reportagem de John Irish e Elizabeth Pineau)

Tudo o que sabemos sobre:
FRANCAMALISOLDADOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.