Força russa treina para conter militantes que estão na Síria, diz líder checheno

Uma unidade das forças de segurança da Rússia está treinando para conter militantes islâmicos, em meios aos temores de que combatentes na Síria iriam retornar para se juntar a insurgentes no norte do Cáucaso, disse o líder da Chechênia, que tem o apoio do Kremlin.

ALISSA DE CARBONNEL, Reuters

05 de dezembro de 2013 | 15h28

O governo russo teme que militantes russos voltem da Síria para se juntar aos que querem um Estado Islâmico na Chechênia.

Autoridades têm dito que 400 russos estão lutando com grupos ligados à Al Qaeda na Síria. Especialistas estimam que esse número é muito maior. Alguns chechenos veteranos da guerra que combatem o governo russo apareceram como líderes dos rebeldes sírios.

"Esses bandidos postam vídeos diariamente afirmando que depois da Síria eles vão migrar para o norte do Cáucaso e se engajar em atividades terroristas e subversivas", declarou Ramzan Kadyrov, líder da Chechênia, num comunicado publicado no site do governo no fim desta quarta-feira.

"Não podemos ficar quietos ouvindo essas ameaças. A polícia e a liderança da república estão tomando as medidas preventivas", disse.

Um porta-voz de Kadyrov se recusou a entrar em detalhes sobre as medidas.

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIACHECHENIAACUSAMILITANTES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.