Fortes chuvas continuam na Sicília e teme-se que mortos cheguem a 50

Assim divulgou esta madrugada passada o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, quem em Milão confirmou os dados facilitados até agora pela Defesa Civil e comentou que provavelmente

EFE

03 de outubro de 2009 | 06h49

O temporal que desde quinta-feira passada castiga a ilha italiana da Sicília continua aumentando neste sábado sobre a província de Messina, onde, por enquanto, as autoridades cifram em 18 os mortos, embora teme-se que o número de vítimas fatais chegue a 50.

 

Assim divulgou esta madrugada passada o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, quem em Milão confirmou os dados facilitados até agora pela Defesa Civil e comentou que provavelmente irá a Messina para comprovar o estado da região.

 

"Infelizmente a situação é muito problemática. A cidade (de Messina) está completamente isolada e há rios de lama e deslizamentos", disse o premiê, em declarações aos meios de comunicação italianos.

 

"Estamos transportando as pessoas de cinco em cinco, com os helicópteros do Exército. Já há cerca de 20 mortos e 30 desaparecidos. No final pode haver pelo menos 50 mortos", acrescentou.

 

Berlusconi explicou que durante a noite os bombeiros tiveram que parar seu trabalho porque existe um "risco alto" de novos deslizamentos de lama e qualificou de "muito grave" a situação que se vive em Messina, onde 40 feridos ainda continuam hospitalizados e 400 pessoas tiveram que ser evacuadas de suas casas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.