França chama de 'provocação' iniciativa nuclear iraniana

A França condenou na terça-feira o anúncio feito pelo Irã de que está instalando novas máquinas de enriquecimento de urânio para acelerar o progresso de seu programa nuclear, dizendo tratar-se de "provocação clara".

REUTERS

19 de julho de 2011 | 11h49

As declarações foram feitas depois de um representante iraniano ter aparentemente confirmado uma reportagem da Reuters na semana passada informando que o Irã está instalando dois modelos mais novos e mais avançados das centrífugas empregadas para refinar urânio para testes em grande escala.

"O Irã acaba de ceder a outra provocação, anunciando a instalação iminente de centrífugas de próxima geração", disse o Ministério do Exterior francês em comunicado à imprensa.

"É uma nova violação de seis resoluções do Conselho de Segurança e dez resoluções do conselho de diretores da Agência Internacional de Energia Atômica."

O Irã vem tentando há anos desenvolver centrífugas com várias vezes a capacidade das centrífugas do tipo dos anos 1970, versão IR-1, que utiliza hoje para a parte mais delicada de suas atividades atômicas.

Os Estados Unidos e seus aliados acusam o Irã de tentar desenvolver bombas atômicas em um esforço oculto sob seu programa nuclear civil. O Irã rejeita a alegação, dizendo que precisa de tecnologia nuclear para gerar eletricidade para atender à demanda doméstica crescente.

A França, que adota uma posição de linha-dura em relação às ambições nucleares do Irã, disse que o anúncio mais recente de Teerã enfraqueceu os argumentos segundo os quais o programa nuclear iraniano visa reforçar a produção energética para finalidades pacíficas.

"Isso confirma claramente as suspeitas da AIEA e da comunidade internacional sobre a finalidade de um programa que não tem aplicação civil digna de crédito", diz o comunicado da França.

(Reportagem de Nick Vinocur)

Tudo o que sabemos sobre:
FRANCAIRANUCLEAR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.