AP
AP

França defende filho de Sarkozy da acusação de nepotismo

Jean, 23 anos, deve assumir o comando de órgão que administra distrito financeiro de La Defense, em Paris

estadao.com.br,

13 de outubro de 2009 | 09h15

O governo francês saiu em defesa de Jean Sarkozy, o filho mais velho do presidente da República, Nicolas Sarkozy, sobre a acusação de nepotismo ao saber que ele vai assumir o comando do EPAD, órgão público que administra o distrito financeiro de La Defense, o luxuoso bairro de negócios da zona oeste de Paris. Segundo o primeiro-ministro, François Fillon, não há razão para polêmica porque Jean Sarkozy não será designado para a Presidência do organismo, mas sim eleito. "É uma competição", ressaltou o premiê em entrevista à emissora de rádio RTL.

 

Fillon lembrou que é o conselho de administração do EPAD o responsável pela eleição do presidente entre os conselheiros gerais (deputados provinciais) do departamento, e que Jean Sarkozy é um deles porque ser vereador da cidade de Neuilly. O próprio filho de Sarkozy justificou a ambição:"estou muito decidido, muito motivado", mesmo argumento utilizado quando foi eleito conselheiro geral por Neuilly em 2008. "Faça o que faça, serei criticado", queixou-se nesta terça-feira em declarações ao Le Parisien.

 

Diante dos que o reprovam pela juventude e a inexperiência - tem apenas 23 anos e ainda está cursando Direito -, disse que não é um iniciante na Defense, porque trabalha há muito tempo nesse campo. O Sarkozy Filho, conhecido no país como "Júnior", deve substituir a partir de dezembro Patrick Devedjan, atual presidente do organismo que, segundo a lei, deve deixar o cargo ao completar 65 anos.

Tudo o que sabemos sobre:
Françanepotismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.