França desmantela rede brasileira de imigração ilegal

Polícia francesa afirma que 13 brasileiros foram detidos sob acusação de exploração de estrangeiros

Efe,

10 de junho de 2008 | 14h45

A polícia francesa iniciou nesta terça-feira, 10, uma ampla operação contra uma rede de ajuda à imigração ilegal na região de Paris, que era organizada por pessoas de origem brasileira e tinha como alvo cidadãos também do Brasil. Mais de 80 pessoas, entre elas treze brasileiros suspeitos de organizar a rede de tráfico e de explorar os imigrantes ilegais - especialmente procedentes do Brasil - foram detidas no começo da manhã, disseram fontes oficiais. A operação, iniciada à 1h de Brasília em 17 cidades da região de Paris, é o ponto alto de duas investigações iniciadas em fevereiro e março, afirmou a polícia em comunicado. A operação começou quando oficiais ocuparam diversas obras de construção nas quais trabalhavam imigrantes ilegais brasileiros com documentação portuguesa falsa, segundo a nota. Quase 320 oficiais participam da operação para "colocar fim à exploração do desamparo humano", em condições de alojamento "insalubre". Os treze acusados de serem membros da rede de tráfico detidos, que atuariam como um grupo organizado, são suspeitos de organizar a chegada de estrangeiros em situação irregular, "essencialmente do Brasil", e sua estada em território francês, "explorando-os e alojando-os em condições indignas", diz a nota. As investigações sob a direção da Justiça são por "ajuda direta ou indireta" à entrada, circulação ou estada irregular na França de imigrantes ilegais, "submissão de estrangeiros a condições de alojamento incompatíveis com a dignidade humana" e falsificação de "documentos de identidade portugueses", entre outras acusações. Outra investigação foi aberta pela Procuradoria pelos crimes cometidos como um grupo organizado de ajuda à entrada, circulação e estada irregular de estrangeiros na França.

Mais conteúdo sobre:
FrançaBrasilimigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.