França diz que aliados também têm de fazer sacrifícios com sanções à Rússia

O ministro de Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, disse que outros países têm de compartilhar a carga da imposição de sanções à Rússia e que quaisquer medidas deveriam incluir também os setores financeiros e de energia, além da defesa.

Reuters

13 Maio 2014 | 09h22

Em entrevista à rede CNN na segunda-feira à noite, Fabius também deu a entender que a França não descarta a possibilidade de rever a venda de navios de guerra à Rússia - um contrato acertado antes do início da crise na Ucrânia.

Os Estados Unidos vêm pressionando a França, Alemanha e Grã-Bretanha para que adotem uma atitude dura contra a Rússia para punir seu governo pela anexação da Crimeia e dissuadi-lo de intervir no leste da Ucrânia.

Ao lhe perguntarem se a França segue a mesma posição adotada pelos Estados Unidos, Fabius disse: "Acho que sim, desde que todos façam os mesmos sacrifícios" - uma referência a outras nações.

"Não são sanções contra a Europa, mas Rússia. Não esqueçamos disso", disse ele.

(Reportagem de John Irish)

Mais conteúdo sobre:
FRANCA RUSSIA SANCOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.