França diz ser vítima de boicote turístico de Pequim

O órgão oficial de turismo da capitalchinesa, Pequim, pediu às agências de viagens que parem devender pacotes para a França, disse o Ministério das RelaçõesExteriores da França, nesta sexta-feira.As relações entre a França e a China está estremecidas devidoaos milhares de manifestantes pró-Tibete que atrapalharam orevezamento da tocha olímpica em Paris, no mês passado,forçando os organizadores a apagá-la por questões desegurança. Os nacionalistas chineses logo conclamaram um boicote aosprodutos franceses, mas Paris esperava que as tensões fossemaliviadas, até que o boicote ao turismo surpreendeu osfranceses. "Sabemos que essa recomendação foi feita pela administraçãodo turismo em Pequim", disse a porta-voz do Ministério dasRelações Exteriores da França, Pascale Andreani, em umaentrevista coletiva. "Nossa embaixada em Pequim já entrou em contato com asautoridades chinesas, para descobrir a razão que motivou oboicote", acrescentou. O caminho da tocha também foi interrompido em diversasoutras cidades do mundo, principalmente Londres e SanFrancisco. Cerca de 700 mil turistas chineses visitaram a França noano passado, de acordo com a Maison de la France, órgão deturismo. Não ficou claro quantos deles vêm de Pequim. Sarkozy deu início à discórdia ao se recusar a dizer secompareceria à cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos dePequim, sugerindo que a boicotaria caso a China não conversassecom o Dali Lama. Enviados do Dalai Lama se encontraram com autoridadeschinesas no dia 4 de maio, para discutir as recentes revoltasno Tibete. Os próximos encontros estão agendados para a segundasemana de junho. (Reportagem de Brian Rohan e Tamora Videillet)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.