França e EUA defendem diálogo no Cáucaso

Chancelaria francesa diz que pretende organizar cessar-fogo; Casa Branca pede fim das agressões

Agências internacionais,

08 de agosto de 2008 | 10h20

A França e os Estados Unidos pediram nesta sexta-feira, 8, o fim das crescentes tensões entre Rússia e a Geórgia na região separatista da Ossétia do Sul, que faz parte da ex-república soviética, na região do Cáucaso.   Veja também: Rússia envia tanques para a Geórgia  Entenda o conflito separatista na Geórgia e a relação russa   Um porta-voz da Casa Branca disse que a disputa deve ser resolvida pacificamente. Segundo Dana Perino, ambos os lados devem parar com as agressões para a onda de violência. O governo americano defende um diálogo entre os dois países.   O ministro do Exterior francês, Bernard Kouchner, disse que pretende organizar um cessar-fogo na região. 'Este é o nosso objetivo imediato', disse em nota o gabinete do chanceler.   As tensões começaram na madrugada desta sexta-feira, quando tropas da Geórgia mataram 15 rebeldes na província separatista. Em retaliação, a Rússia enviou reforço militar à Ossétia do Sul.   O alto representante de Política Externa e Segurança Comum da União Européia (UE), Javier Solana, pretende conversar por telefone com os chanceleres da Geórgia, Eka Tkelashvili, e da Rússia, Serguei Lavrov, para analisar a situação.   O chefe da diplomacia comunitária segue muito atentamente os fatos na Ossétia do Sul, indicaram fontes européias, e nesse contexto prevê falar "em breve" com os chanceleres de Geórgia e Rússia. As fontes assinalaram que "continua uma atividade diplomática muito intensa" na UE em relação aos eventos na Ossétia do Sul.   Solana conversou na quinta com o presidente georgiano, Mikhail Saakashvili, e nas últimas horas com o chefe de Estado da Lituânia, Valdas Adamkus, e com o ministro de Relações Exteriores francês, Bernard Kouchner.   Matéria atualizada às 11h35.

Tudo o que sabemos sobre:
GeórgiaRússiaOssétia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.