França enfrenta greve geral em transporte público

Cerca de 1,6 milhão de trabalhadores protestam contra proposta de mudança no regime de aposentadorias

Efe,

18 de outubro de 2007 | 08h56

Uma greve nacional dos trabalhadores do transporte publico francês causou um grande impacto nos serviços de ônibus, metrô e trem em pelo menos 27 cidades do país. A população teve que recorrer à bicicleta como meio alternativo de locomoção dentro da cidade ou decidiu por não sair de casa, por conta do caos provocado pelo excesso de veículos nas ruas.   As centrais sindicais convocaram a greve em protesto contra a intenção do governo de reformar o modelo de acesso à aposentadoria de várias categorias trabalhistas. A medida afeta os 1,6 milhões de empregados de empresas de transporte, energia e secretários de cartórios.   A situação é mais complicada em Paris. Com exceção de uma linha de metrô automática, os transportes funcionam de maneira reduzida, com no máximo um terço do serviço. A greve começou às 20 horas de quarta-feira (horário local) e deve durar até pelo menos às 8 horas de sexta-feira.   Na capital francesa só funcionam 10% dos ônibus. O tráfego de automóveis é o dobro do registrado em dias normais, segundo a polícia, que informou numerosos engarrafamentos. Em Lyon o serviço de metrô está perto do normal, mas há problemas nos ônibus, assim como em Toulouse.   A companhia pública de ferrovias, a SNCF, espera manter 46 dos 700 serviços do trem de alta velocidade, e o mesmo número nas ligações de Paris com Londres, Bruxelas, Amsterdã e Colônia. As linhas regionais também foram muito afetadas.   O governo, que já admitiu que a greve provocará uma forte alteração do serviço, mantém no entanto sua vontade de modificar o regime especial de algumas profissões, que para obter a aposentadoria deverão trabalhar 40 anos, e não mais 37,5 como até agora.   A medida afeta 1,1 milhão de aposentados e 500 mil trabalhadores na ativa na companhia de ferrovias SNCF, na rede de transporte urbano de Paris RATP, nas empresas de energia Electricité de France e Gaz de France e nos cartórios

Tudo o que sabemos sobre:
greveFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.