França organizará encontro regional para ajudar Afeganistão

O governo francês organizará um encontro informal entre o Afeganistão e seus vizinhos antes do final de ano na esperança de estabilizar o país atingido por conflitos violentos, anunciou nesta terça-feira o Ministério das Relações Exteriores da França. Neste ano, aumentou o número de ataques contra as forças do governo afegão e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), bem como se intensificaram os combates no vizinho Paquistão entre as tropas do governo e os insurgentes que atuam nos dois lados da fronteira. Eric Chevallier, porta-voz da chancelaria francesa, disse que o encontro "explorará a cooperação entre o Afeganistão e seus vizinhos imediatos a respeito de várias questões, entre as quais questões políticas, econômicas, comerciais e também de segurança." O encontro deve reunir os países que fazem fronteira com o território afegão, mas outros também podem participar. "Vamos esperar para ver se, de uma forma ampla, outros atores poderão ser incluídos e associados, em um nível diferente e com modalidades diferentes -- por exemplo os membros do P5 ou outros atores", disse o porta-voz, referindo-se aos membros permanentes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), conhecidos como P5. O Afeganistão faz fronteira com a China, o Irã, o Paquistão, o Tadjiquistão, o Turcomenistão e o Uzbequistão. Dirigentes da Otan, da Grã-Bretanha e dos EUA disseram que o uso da força não garantiria por si só a vitória no Afeganistão, onde a aliança militar de 26 países mantém cerca de 50 mil soldados. Os comandantes dessa missão afirmam necessitar de ao menos 12 mil militares a mais. O país, que não possui acesso ao mar, produziu 93 por cento do ópio do mundo em 2007. E o tráfico de drogas para além das fronteiras nacionais ajudou a custear a insurgência do Taliban. Uma conferência de doadores do Afeganistão realizada em junho destacou a necessidade de haver cooperação regional e convocou os vizinhos do país a dar apoio aos esforços de estabilização e de proteção das fronteiras. Segundo Chevallier, o encontro regional ajudaria a levar adiante esses objetivos. Uma autoridade francesa que não quis ter sua identidade revelada disse que a reunião lembrava o encontro de políticos libaneses ocorrido nas cercanias de Paris, no ano passado. Chevallier afirmou que a reunião "será realizada provavelmente por ministros", acrescentado que ocorreria "antes do fim da Presidência francesa" na União Européia (UE), em janeiro. (Reportagem de Brian Rohan)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.