França pode dar asilo político a desertor das Farc

A França está verificando a situação de um desertor das Farc que ajudou um refém a escapar da guerrilha colombiana no fim de semana e considera conceder asilo político a ele, informou o gabinete do presidente francês, Nicolas Sarkozy, nesta segunda-feira. Um porta-voz do Palácio de Eliseu, em Paris, disse que a França concordou em dar direitos residenciais a membros das Farc que deixam o grupo armado, "contanto que eles não sejam alvos de procedimentos legais em nenhum lugar do mundo". Ele disse que as autoridades estão verificando o status do homem. O desertor, conhecido como Isaza, ajudou o ex-parlamentar colombiano Oscar Lizcano a escapar depois de oito anos de cativeiro, acompanhando-o em uma caminhada de três dias pela selva, até que os dois encontraram um posto do Exército, no domingo. O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, disse que daria uma recompensa ao desertor e que ele poderia viver na França, graças ao acordo feito entre o governo e membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) que se entregaram junto com reféns. As Farc já tiveram controle sobre grandes áreas do país, mas o grupo rebelde perdeu três líderes importantes neste ano e centenas de combatentes desertaram. (Reportagem de Yann Le Guernigou)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.