França prende suposto chefe militar do ETA

O governo francês anunciou na segunda-feira a prisão do suposto comandante militar do ETA, no maior golpe contra o grupo separatista basco nos últimos meses. Garikoitz Aspiazu Rubina, conhecido como "Txeroki" ou "Cherokee", foi preso na região dos Pirineus (sudoeste da França, perto da fronteira com a Espanha), segundo nota do Ministério do Interior francês, que erroneamente grafa seu nome como Asiazu. O ministério disse que Aspiazu é suspeito de assassinar dois guardas civis espanhóis em dezembro passado. Fontes de segurança citadas pela imprensa espanhola dizem que o militante também foi o mentor do atentado com um carro-bomba que matou duas pessoas em dezembro de 2006 no aeroporto de Madri - fato que levou à suspensão de um processo de paz com o governo espanhol. "Esta prisão demonstra novamente o resoluto compromisso da polícia e da 'gendarmerie' da França na luta contra todas as formas de terrorismo, e ilustra mais uma vez a excelente cooperação entre França e Espanha na luta contra o terrorismo basco", disse a nota. Vários dirigentes do ETA têm sido presos recentemente, mas esta é aparentemente a captura mais importante desde a prisão do então comandante Francisco Javier López Peña, em maio, na cidade francesa de Bordeaux. Mas, apesar das prisões e das garantias do governo espanhol sobre a quase neutralização do ETA, o grupo continua realizando explosões. Os separatistas já mataram mais de 800 pessoas em quatro décadas de atividade. Os bascos vivem no norte da Espanha e do sudoeste da França. A atividade do ETA é mais intensa na parte espanhola, onde as províncias bascas já têm considerável autonomia, inclusive em áreas como saúde, educação e promoção do idioma nativo. Aparentemente, o ETA está cada vez mais isolado por parte do povo que deveria representar. Pesquisas indicam que a maioria dos bascos é contra a independência, e há relatos na imprensa de discordâncias graves entre o ETA e seu braço político, o proscrito partido Batasuna. (Reportagem de Crispian Balmer e Jason Webb)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.