França quer que força da ONU no Mali esteja criada até abril

A França quer que a missão militar africana no Mali seja substituída até abril por uma força de paz da Organização das Nações Unidas (ONU), disse o chanceler Laurent Fabius nesta quarta-feira.

Reuters

06 de fevereiro de 2013 | 20h02

Depois de expulsar milícias islâmicas de cidades do norte do Mali em três semanas de intervenção militar, a França está interessada em não se envolver em uma custosa mobilização prolongada.

"A partir do momento em que a segurança esteja garantida, podemos antever, sem alterar as estruturas, que ela pode ser substituída dentro do marco das operações de paz da ONU", disse Fabius a jornalistas.

Questionado se seria possível fazer isso até abril, ele disse: "Sim, nossos especialistas e aqueles com os quais estamos trabalhando têm esse objetivo".

Segundo diplomatas na ONU, o Conselho de Segurança cogita adotar até o começo de março uma resolução que substitua a atual força africana por uma subordinada à ONU. Seriam necessários então 45 a 60 dias para "trocar os capacetes" dos soldados, o que envolveria também uma redução do seu número.

"Por um lado é uma vantagem, porque fica sob a ONU e o financiamento da ONU, mas não significa que haja uma modificação na organização, mas só que estará sob o guarda-chuva da ONU", disse Fabius.

A força africana no Mali já tem 3.800 militares mobilizados, de um total previsto para 8.000.

(Por John Irish, com reportagem adicional de Michelle Nichols)

Tudo o que sabemos sobre:
FRANCAMALIONU*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.