França reitera apoio a EUA, após críticas a Sarkozy em documento

A França disse nesta segunda-feira que mantém seu apoio aos EUA, apesar dos constrangimentos causados pelo site WikiLeaks ao divulgar milhares de comunicações diplomáticas secretas norte-americanas.

REUTERS

29 de novembro de 2010 | 09h58

Alguns desses documentos, escritos com brutal honestidade pelos diplomatas dos EUA para seus superiores em Washington, descrevem o presidente da França, Nicolas Sarkozy, como um político "que se irrita com facilidade" e "autoritário" segundo relato do jornal Le Monde, uma das cinco publicações que receberam o material antecipadamente.

Outras comunicações afirmam que a primeira-ministra alemã, Angela Merkel, é alguém que "evita riscos", que o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, é "inábil" e que o premiê russo, Vladimir Putin, se comporta como um "macho alfa".

O porta-voz do governo francês François Baroin disse que o país foi alertado antecipadamente pelos EUA sobre os documentos. Ele reiterou o apoio do governo francês aos EUA e disse que os vazamentos de documentos deixam "a autoridade e a soberania democrática ameaçadas".

Embora o chanceler italiano, Franco Frattini, tenha qualificado o vazamento como "o 11 de Setembro da diplomacia mundial", analistas dizem que as relações internacionais não devem ser afetadas de forma duradoura.

(Reportagem de Laure Bretton)

Tudo o que sabemos sobre:
FRANCAWIKILEAKSEUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.