Reprodução
Reprodução

França se esforçará para salvar vida de Sakineh, diz chanceler

Bernard Kouchner pediu que Irã estabeleça moratória geral sobre todas as execuções

Efe,

20 de agosto de 2010 | 17h43

PARIS- O chanceler da França, Bernard Kouchner, garantiu nesta sexta-feira, 20, que seu país "não negará nenhum esforço para salvar" a iraniana Sakineh Mohammadi Ashitiani, inicialmente condenada a apedrejamento por adultério e agora acusada pela morte de seu marido.

 

Veja também:

especialAs punições da Sharia, a Lei Islâmica

documento As origens do sistema jurídico do Islã

especialEntenda o caso Sakineh Ashtiani

 

O apedrejamento "é um tratamento bárbaro, cruel e desumano", disse o ministro, e o Irã, principalmente por seu apoio ao acordo internacional referente aos Direitos Civis e Políticos, se comprometeu a não submeter nenhum cidadão "a tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes".

 

Kouchner destacou que o pacto prescreve que mesmo no caso de se aplicar penas de morte, ela deve se reservar "aos crimes mais graves". Segundo o ministro, a França "de mobilizou para salvar esta mulher da morte".

 

O chefe da diplomacia francesa também pediu que as autoridades iranianas "estabeleçam uma moratória geral sobre as execuções, com vistas a uma posterior abolição da pena capital", e "escutem a voz da comunidade internacional e a mobilização das sociedades civis".

 

De acordo com Kouchner, a França, "assim como o conjunto de seus sócios da União Europeia, se opõe à pena de morte em todo o lugar e circunstância".

 

Sakineh foi condenada em 2006 por manter relações ilícitas com dois homens após ficar viúva, o que, segundo a lei islâmica, também é considerado adultério. Primeiramente a pena foi de 99 chibatadas, depois convertida em morte por apedrejamento e, posteriormente, alterada para enforcamento.

 

Em julho deste ano, Mostafaei tornou público o caso em um blog na internet, o que chamou a atenção da comunidade internacional. Perseguido pelas autoridades iranianas, ele fugiu para a Turquia, de onde buscou asilo político na Noruega.

 

O governo brasileiro ofereceu refúgio a Sakineh, o que foi rejeitado por Teerã. A pena de morte foi mantida por um tribunal de apelações, que acrescentou ao caso a acusação de conspiração para a morte do marido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.