Franceses querem permanência de ministro que pagou por sexo

Frederic Mitterrand tem apoio de 67% dos entrevistados em pesquisa conduzida com 1.005 pessoas por telefone

Agência Estado,

12 de outubro de 2009 | 18h24

Uma nova pesquisa mostra um forte apoio entre os eleitores ao ministro da Cultura da França, Frederic Mitterrand, apesar dos pedidos recentes para ele renunciar. Mitterrand se envolveu em uma controvérsia por um livro no qual ele descreve ter pago para fazer sexo com jovens homens na Tailândia.

 

A sondagem divulgada nesta segunda-feira pelo Instituto BVA mostra que 67% dos entrevistados não querem que Mitterrand, sobrinho do ex-presidente François Mitterrand, deixe o posto. Apenas 20% preferem que Mitterrand renuncie.

 

Mitterrand foi na quinta-feira à televisão nacional para defender a sua honra, após o líder da Frente Nacional, de extrema-direita, ler trechos na televisão do livro do ministro. Mitterrand condenou o turismo sexual, apesar de admitir ter pagado a homens por sexo. Ele negou qualquer envolvimento com pedofilia.

 

A pesquisa foi conduzida com 1.005 pessoas, por telefone, e não foi divulgada a margem de erro. Os membros do governo conservador do presidente Nicolas Sarkozy defenderam Mitterrand dos ataques da extrema-direita e também do Partido Socialista.

 

"Frederic Mitterrand disse coisas de uma maneira forte e clara", notou o secretário-geral do governista União por um Movimento Popular (UMP), Xavier Darcos, em uma entrevista publicada nesta segunda-feira pelo jornal Le Parisien. Para Darcos, o caso envolvendo o ministro "está encerrado". As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaministroFrederic Mitterrand

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.