Freiras idosas se acorrentam a poste em protesto no Vaticano

Irmãs afirmam que foram erroneamente expulsas de seu convento e pedem ajuda ao papa Bento XVI

Phipil Pulella, da Reuters,

08 de junho de 2008 | 10h38

Duas freiras italianas idosas se acorrentaram a um poste de luz diante do Vaticano neste domingo, 8, afirmando terem sido erroneamente expulsas de seu convento e pedindo ajuda ao papa Bento XVI para retornarem à clausura. As duas, irmã Albina Locantore, de 73 anos, e irmã Teresa Izzi, de 79 anos, passaram várias horas acorrentadas ao lado da Praça de São Pedro, incluindo os 20 minutos durante os quais o papa transmitiu sua mensagem e bênção semanais. As duas religiosas disseram a jornalistas que deixaram seu convento das irmãs Carmelitas, na região central da Itália, por vários meses por razões de saúde e que, quando retornaram, a madre superiora lhes recusou a entrada no convento. A madre superiora as acusou de desobediência e as baniu, disseram as freiras. Uma das religiosas segurava um cartaz que dizia: "Sua santidade, não somos prostitutas, nem violentas, nem ladras, nem doentes mentais." Outro cartaz apelava ao pontífice para investigar o caso delas. "Após 50 e 60 anos de serviços prestados à Igreja, elas nos tratam como sacos de lixo, apenas porque supostamente não teríamos obedecido a nossa superiora religiosa", disse a irmã Albina. O Vaticano estava tentando organizar um encontro entre as freiras e um funcionário do departamento do Vaticano responsável pelos conventos.

Mais conteúdo sobre:
VaticanoprotestoBento XVI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.