Futuro do governo italiano está nas mãos do presidente

Giorgio Napolitano pode dissolver o Parlamento ou pedir a formação de governo de tecnocratas

Reuters,

24 de janeiro de 2008 | 20h34

Com a renúncia do primeiro-ministro italiano, Romano Prodi, caberá ao presidente do país, Giorgio Napolitano, decidir o que fazer para a formação de um novo governo. Veja abaixo quais são suas opções: O cenário mais provável é que Napolitano convoque uma eleição às pressas, seguindo as leis eleitorais atuais - sistema que tem sido amplamente culpado pela crônica instabilidade do governo Prodi.  O presidente Napolitano, no entanto, pode tentar evitar a dissolução do parlamento se conseguir apoio suficiente para um governo provisório, que deve deve trabalhar para mudar as leis eleitorais antes de uma nova eleição. Este governo temporário - que provavelmente deve ser conduzido por uma figura institucional ou tecnocratas - precisará de uma grande base de apoio, o que está longe de ser garantidio. Uma eleição às pressas favoreceria o líder da oposição Silvio Berlusconi, que lidera por uma ampla diferença as últimas pesquisas de opinião. Além disso, muitos pequenos partidos, tanto da base governista quanto da oposição, temem que um novo código eleitoral possa reduzir seu peso em futuras coalizões, e por isso podem preferir seguir com as eleições antecipadas no sistema atual.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaRomano ProdiGiorgio Napolitano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.