G-8 dará chance a negociação com Irã, diz Nicolas Sarkozy

Presidente francês afirma que diálogo estará aberto até setembro; bloco condena teste nuclear norte-coreano

AP e Reuters,

08 de julho de 2009 | 18h28

O Grupo dos Oito (G-8) quer dar "uma chance para a negociação com o Irã", país suspeito de desenvolver um programa nuclear com fins bélicos, disse nesta quarta-feira, 8, o presidente francês Nicolas Sarkozy durante a reunião do bloco em Áquila, na Itália. Falando após um encontro com líderes de outras potências, ele destacou, porém, que o diálogo com Teerã acontecerá somente até setembro, quando a questão será analisada em um encontro do G-20 nos EUA, nos dias 24 e 25.

 

Veja também:

linkG-8 diz que ainda existem perigos para economia global

linkG-8 se reúne em meio a 'crise de identidade'

linkPotências desistem de meta de corte de emissão de CO2

linkBerlusconi acompanha Merkel em cidade destruída por tremor

 

"Se não houver progresso até lá, teremos que tomar decisões", acrescentou Sarkozy. Em um comunicado separado, o G-8 se disse comprometido para encontrar uma solução diplomática para o impasse nuclear com o Irã, que o Ocidente acredita que esteja produzindo armas nucleares, enquanto o país sustenta que utiliza a tecnologia para produção de energia.

 

Os líderes do G-8 também condenaram a violência após as eleições presidenciais iranianas e afirmaram que continuam "seriamente preocupados" com a situação no país. Segundo Sarkozy, a declaração do bloco "mostra a unidade do G-8 contra a situação no Irã". O texto, obtido pela Associated Press, também "condena as declarações do presidente (Mahmoud) Ahmadinejad de negação ao Holocausto."

 

Coreia do Norte

 

O G-8 também condenou "nos termos mais fortes" o teste nuclear norte-coreano e lançamentos de mísseis balísticos. Em comunicado, os líderes do bloco afirmaram que as ações da Coreia do Norte "representam uma ameaça à paz e à estabilidade na região e além" do continente.

 

Pyogyang conduziu um teste atômico em maio e vem lançando diversos projéteis de curto alcance no mar desde então. O grupo também pediu que a ONU reprima futuras violações das resoluções do Conselho de Segurança do órgão e se engaje em um diálogo.

Mais conteúdo sobre:
G-8Irã. programa nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.