Gaddafi quis transformar ilha italiana em 'inferno', diz Roma

A Itália tem provas de que Muammar Gaddafi planejava transformar a pequena ilha italiana de Lampedusa em um "inferno", ao enviar para lá de barco milhares de migrantes africanos desesperados, segundo o chanceler Franco Frattini.

REUTERS

26 de agosto de 2011 | 09h04

A Líbia é um tradicional ponto de reunião para os milhares de africanos que tentam chegar à Europa na ilha de Lampedusa, que fica na costa da Sicília.

Um acordo entre a Líbia e a Itália para devolver os migrantes antes de eles entrarem nas águas territoriais italianas conteve o fluxo - até que, no começo deste ano, a guerra civil líbia eliminasse a possibilidade de controle fronteiriço nesse país, motivando uma nova leva de migrantes.

A Itália já foi o maior aliado de Gaddafi na Europa, mas o regime agora deposto voltou sua ira contra a antiga potência colonial depois que Roma expressou apoio ao movimento rebelde e aderiu à operação militar da Otan na Líbia, segundo Frattini.

"Temos (em nosso poder) mensagens terríveis, e elas serão divulgadas em breve", afirmou Frattini ao jornal católico Avvenire. "Temos provas das ordens dadas pelo governo de Gaddafi para transformar Lampedusa em um inferno: 'Coloquem milhares de pessoas desesperadas em barcos e deixem a ilha caótica'. Temos provas e não podemos ignorá-las."

A Itália também disse ter "mensagens" mostrando que autoridades líbias ordenaram que cadáveres de soldados fossem vestidos à paisana, para sugerir que a Otan estava matando civis em sua campanha militar.

Desde o início da rebelião na Líbia, dezenas de milhares de migrantes chegaram a Lampedusa, quase abarrotando a pequena ilha, despreparada para o afluxo repentino.

(Reportagem de Deepa Babington)

Tudo o que sabemos sobre:
ITALIAGADDAFILAMPEDUSA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.