Geórgia diz que forças russas avançam para Tbilisi

Presidente diz à CNN que não existe acordo de cessar-fogo com a Rússia; Moscou nega avanço para a capital

Agências internacionais,

13 de agosto de 2008 | 11h17

O presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili, disse à CNN nesta quarta-feira, 13, que as forças militares da Rússia violaram o acordo de cessar-fogo com a Geórgia e "avançam para a capital", Tbilisi, Em entrevista, Saakashvili afirmou que a Rússia continuou seus ataques sobre a cidade de Gori e que o cessar-fogo, mediado pela França, não existe.   Veja também: Geórgia diz que russos violaram trégua; Moscou nega ocupação de Gori Crise reafirma poder de Putin UE apóia envio de monitores para checar trégua  Rússia inicia interrogatório de presos Ouça o relato de Lourival Sant'Anna  Imagens feitas direto de Gori, na Geórgia  Godoy e Cristiano Dias comentam conflito  Entenda o conflito separatista na Geórgia Cronologia dos conflitos na Geórgia   O Estado-Maior russo afirmou que suas tropas não estão se dirigindo para Tbilisi, segundo a CNN. Pouco antes, o correspondente dessa rede de notícias na Geórgia indicou que um comboio de veículos de transporte de pessoal blindados avançava em território georgiano ao sul de Gori. A cadeia acrescentou que "os temores de que o comboio se dirigia para Tbilisi se dissiparam quando a coluna desviou em uma rota secundária, e provavelmente se dirigiu à base militar georgiana abandonada em Uplistsikhe, 10 quilômetros ao leste de Gori".   "Este é o tipo de cessar-fogo que (os russos) tiveram com o Afeganistão, suponho, em 1979", acrescentou. "Não há cessação do fogo, as forças russas continuam em movimento". Saakashvili disse que a Rússia bombardeou indiscriminadamente a área de Tskhinvali, a capital da Ossétia do Sul, e que estabeleceu campos para os residentes nessa região e na Abkházia. "A Geórgia se ateve a seus compromissos, mas parece que não há mais muito a que se ater aqui", acrescentou.   As forças de paz russas disseram nesta quarta que estão removendo os equipamentos e a munição de um depósito militar nas proximidades da cidade de Gori. "Nas vizinhanças de Gori, um grande depósito militar foi descoberto, com equipamentos militares georgianos", disse um porta-voz das forças de paz russas, por telefone. "O depósito estava desprotegido e os equipamentos estavam prontos para a batalha. Atendendo aos interesses de desmilitarização da zona de conflito e, a fim de garantir a segurança da população, o equipamento bélico e a munição estão sendo removidos agora".   Segundo a AFP, a vice-ministra de Interior, Eka Zguladze, disse que o comboio de tanques russos que deixou Gori em direção ao interior do país não segue para Tlibisi, contradizendo o presidente georgiano. A coluna, composta por cerca de 50 tanques, blindados e caminhões, foi vista por vários jornalistas nos arredores de Gori, na estrada que leva até a capital   A BBC afirma que moradores fugindo de Gori disseram que saques e seqüestros estão acontecendo na cidade. Muitos dizem ter visto suas casas sendo incendiadas. Gori é a cidade georgiana mais próxima da divisa sul da Ossétia do Sul, província separatista da Geórgia que conta com a simpatia russa. O vilarejo é onde, no fim de semana, relatava-se que as tropas georgianas se concentravam para mobilizações contra os separatistas. Entretanto, as forças georgianas foram expulsas da cidade pelas forças russas, que afirmaram que sua atividade no local estava encerrada.

Tudo o que sabemos sobre:
GeórgiaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.