Governo da Letônia estatiza 2º maior banco do país

Primeiro-ministro do país explicou que o Parex estava funcionando, mas precisava de liquidez

AP e AE

09 de novembro de 2008 | 15h49

O governo da República da Letônia decidiu estatizar a segunda maior instituição financeira do país depois de o banco entrar em crise de liquidez, informou um oficial neste domingo.  O governo decidiu no sábado pegar 51% da participação no banco Parex, o segundo maior banco do estado báltico em total de assets, com base nos dados que indicaram que o banco estava a caminho da insolvência, disse Krists Leiskalns, porta-voz do primeiro ministro Ivars Godmanis. No sábado, Godmanis explicou que o Parex estava funcionando mas que precisava de liquidez. Ele também disse que o governo tinha que fazer a escola entre tomar o controle do banco ou deixá-lo falir. "É importante agir agora antes que a situação fique muito ruim", afirmou, acrescentando que o Parex era muito grande para que se permitisse que fosse à bancarrota. Ele disse que não era necessário resgatar nenhum dos outros 25 bancos da Letônia no momento, mas também não excluía essa possibilidade no futuro.  A notícia da estatização foi outra bomba para uma economia já em deterioração. Na sexta-feira, o governo anunciou que o PIB do país caiu 4,2% no 3º trimestre na comparação com o mesmo período do ano passado, quando o crescimento foi de 10,9%.

Tudo o que sabemos sobre:
TetôniaEstatizaçãoBanco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.