Governo e oposição selam reforma social na Alemanha

O governo e a oposição chegaram nesta segunda-feira um acordo para reformar o sistema de bem estar social da Alemanha, o que deve beneficiar 4,7 milhões de pessoas e custar 480 milhões de euros (657 milhões de dólares) por ano aos contribuintes.

REUTERS

21 de fevereiro de 2011 | 11h38

A prolongada disputa em torno dessa reforma mostra como a chanceler (primeira-ministra) conservadora Angela Merkel é dependente da oposição social-democrata.

O acordo prevê um aumento de 5 euros mensais na renda mínima alemã, para atender a uma exigência da Corte Constitucional do país, relacionada ao aumento dos gastos com educação.

O benefício pago a pessoas sem salários agora será de 364 euros (495 dólares) mensais.

A oposição ameaçava barrar a reforma no Senado, onde o governo perdeu maioria em julho. Manuela Schwesig, vice-líder dos social-democratas, disse que o acordo permitirá que "mais de 2 milhos de crianças se beneficiem de um aumento nas verbas educacionais."

(Reportagem de Holger Hansen)

Tudo o que sabemos sobre:
ALEMANHAREFORMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.