Grã-Bretanha estudará corte de emissões de carbono de até 80%

A Grã-Bretanha vai estudar se pode ounão se comprometer com um corte de até 80 por cento em suasemissões de carbono até 2050, disse na segunda-feira oprimeiro-ministro, Gordon Brown, em seu primeiro discursoimportante sobre o meio ambiente desde que tomou posse. Brown vem sendo obrigado a se posicionar em relação aquestões ambientais por causa da crescente atuação do PartidoConservador, da oposição, no tema. A popularidade do premiêdespencou nas últimas semanas e é a pior de seu governo, quecomeçou em junho, quando substituiu Tony Blair. O governo publicou há uma semana um projeto de lei sobre asmudanças climáticas comprometendo-se com um corte de 60 porcento nas emissões de dióxido de carbono até 2050, mas gruposambientalistas afirmaram que é preciso fazer cortes aindamaiores. Segundo o premiê, o governo criará uma comissãoindependente para estudar a viabilidade do corte de 80 porcento. "Nossa previsão tem uma meta fundamental: segurar oaumento na temperatura média global em no máximo 2 grauscentígrados. Isso exige que as emissões de gases-estufa cheguemao pico nos próximos 10 a 15 anos e sejam cortadas pelo menospela metade até 2050," afirmou Brown numa reunião promovidapelo grupo ambientalista WWF. Brown afirmou que é vital que os países desenvolvidos,inclusive os Estados Unidos, tomem a dianteira no corte dasemissões. O discurso foi feito duas semanas antes da reunião dosministros do Meio Ambiente da ONU na ilha de Bali para tentarlançar uma rodada de negociações sobre o pacto que sucederá oprotocolo de Kyoto. (Reportagem de Jeremy Lovell)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.