Gravação mostra tripulante do Costa Concordia negando emergência

Oficial diz à Guarda Costeira que houve apenas um blecaute no primeiro contato após acidente

Reuters

19 de janeiro de 2012 | 15h58

 

ROMA - Um membro da tripulação do navio Costa Concordia disse à Guarda Costeira italiana que a embarcação tinha sofrido apenas um corte na energia e que não havia emergência a bordo - mesmo depois de os passageiros terem vestido os coletes salva-vidas, de acordo com uma gravação divulgada nesta quinta-feira, 19.

 

Veja também:
som OUÇA: 
Capitão recebe ordens de voltar para o barco
blog RADAR GLOBAL: 'Volte a bordo, c...!' vira camiseta na Itália
tabela ESPECIAL: O naufrágio do Costa Concordia

 

O canal de notícias Sky TG 24, que divulgou a gravação, disse que essa foi a primeira conversa de rádio entre a Guarda Costeira e o navio de cruzeiro depois que a embarcação atingiu rochas na costa da Toscana na noite de sexta-feira, com 4,2 mil passageiros e tripulantes a bordo, e tombou.

O diálogo começou às 22h12 (horário local), cerca de 30 minutos depois do acidente, informou a Sky TG 24. Nesse intervalo, muitos passageiros telefonaram de celular para parentes pedindo que avisassem a polícia, que por sua vez disse à Guarda Costeira que verificasse a situação do navio.

"Boa noite, Costa Concordia, por favor, você tem problemas a bordo?", pergunta o funcionário da guarda ao seu contato. Um membro não identificado da tripulação responde: "Tivemos um blecaute, estamos verificando as condições a bordo."

O guarda pergunta: "Que tipo de problema? É apenas algo com o gerador? A polícia... recebeu um telefonema de parentes de um marinheiro que disse que durante o jantar tudo estava caindo sobre a sua cabeça. Ele diz que alguns passageiros já estão usando coletes salva-vidas."

O tripulante apenas repete que houve um blecaute. "Estamos verificando as condições a bordo", diz ele, prometendo manter a Guarda Costeira informada.

Onze pessoas morreram no acidente e 24 ainda estão desaparecidas. O capitão do Costa Concordia, que abandonou o navio após a colisão e o naufrágio, está sendo investigado e, inicialmente, responsabilizado pelo acidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.