Gregos querem demissão de parlamentar que contratou a filha

O político grego que provocou indignação com a contratação de sua filha pelo Parlamento, no único dia em que ele foi presidente da Casa, enfrentou pedidos públicos de demissão nesta quinta-feira, em meio ao desencanto generalizado no país com a classe dominante.

Reuters

09 de agosto de 2012 | 15h09

Sobrevivendo ao seu quinto ano de recessão e lutando para permanecer na zona do euro, muitas pessoas na Grécia culpam os principais partidos políticos que têm governado o país durante quase quatro décadas pelo nepotismo no setor público.

Diante de tal cenário, o caso do parlamentar Byron Polydoras do partido conservador Nova Democracia, atingiu um nervo.

Ele foi nomeado presidente do Parlamento por apenas um dia, após uma eleição geral inconclusiva em 6 de maio, em um gabinete temporário cujo único propósito era convocar uma nova eleição para 17 de junho.

Polydoras usou sua breve passagem como presidente para tornar sua filha funcionária permanente em seu gabinete, de acordo com documentos oficiais publicados. Assim como outros funcionários públicos, isso significa que ela não poderá ser demitida, pois isso seria inconstitucional.

A mídia local criticou a medida como "imoral" e uma página no Facebook intitulada "Renúncia de Polydoras agora" tinha mais de 2.200 seguidores nesta quinta-feira.

(Reportagem de Karolina Tagaris)

Tudo o que sabemos sobre:
GRECIAPARLAMENTARNEPOTISMO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.