Grupo dos Sete acorda imposição de sanções adicionais contra Rússia

Líderes do Grupo dos Sete, que reúne as economias mais avançadas do mundo, concordaram em impor sanções extras contra a Rússia por sua intervenção na Ucrânia, onde grupos separatistas armados pró-Moscou detiveram um grupo de observadores internacionais, acusando-os de serem espiões da OTAN.

Reuters

26 de abril de 2014 | 09h57

Os Estados Unidos disseram que as novas medidas punitivas de sua parte, que autoridades norte-americanas disseram que seriam direcionadas a "comparsas" do presidente russo, Vladimir Putin, poderiam ser reveladas na segunda-feira, a menos que a Rússia se movimente para neutralizar a crise na Ucrânia.

Em uma declaração conjunta, os líderes do G7 afirmaram que a Rússia não tinha tomado quaisquer medidas concretas para implementar um acordo assinado em Genebra, destinado a refrear a atuação dos grupos armados ilegais.

"Em vez disso, o país continuou a elevar as tensões ao aumentar a retórica e com as ameaçadoras manobras militares em curso na fronteira com a Ucrânia", disse o comunicado.

"Nós concordamos que vamos avançar rapidamente para impor sanções adicionais contra a Rússia ... Nos comprometemos a agir urgentemente para intensificar as sanções e medidas destinadas a aumentar os custos das ações da Rússia."

Mas o texto acrescentou: "Ressaltamos que a porta permanece aberta para uma solução diplomática para a crise."

A Rússia nega a culpa pela crise no leste da Ucrânia, onde grupos separatistas armados pró-Moscou tomaram o controle de cerca de uma dúzia de edifícios oficiais, desafiando as determinações do governo apoiado pelo Ocidente, a partir da capital Kiev.

O Kremlin afirma que a crise começou quando uma nova liderança assumiu em Kiev, no que Moscou chama de golpe de Estado, e começou a perseguir a comunidade de língua russa no leste por querer laços mais estreitos com a Rússia.

As crises levou as relações entre a Rússia e o Ocidente para o nível mais conturbado desde a Guerra Fria, e está cada vez mais se transformando em um impasse militar.

A Rússia reuniu tropas e helicópteros na fronteira com a Ucrânia, onde diz que estão sendo realizados exercícios, enquanto a OTAN enviou forças adicionais para o leste da Europa, afirmando que elas são necessárias para tranquilizar seus aliados.

(Por Thomas Grove e Matt Spetalnick)

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAG7*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.