Hackers chineses invadem rede do governo britânico

Denúncia é a mais recente envolvendo as Forças Armadas da China; EUA e Alemanha também foram alvos

Agências internacionais,

05 de setembro de 2007 | 09h28

Hackers chineses, supostamente membros do Exército da Libertação do Povo, atacaram a rede de computadores do governo britânico nesta semana, segundo afirma reportagem publicada nesta quarta-feira, 5, pelo jornal The Guardian. A denúncia ocorre no dia seguinte ao Departamento de Defesa dos Estados Unidos confirmar a invasão de um sistema de e-mails do Pentágono.  Os piratas virtuais atacaram a rede do Ministério das Relações Exteriores e alguns outros departamentos, revela o jornal, citando fontes do governo não identificadas. O ministério se negou a confirmar na última terça quando teve sua rede invadida. Um incidente no ano passado que desligou parte dos sistemas da Casa dos Comuns, parte do parlamento britânico, foi tido como um fato isolado, mas descobriu-se que, na verdade, a falha era resultado da ação de um grupo organizado de hackers chineses, disseram autoridades. Esta é a terceira vez que a China é acusada, em menos de duas semanas, de invadir uma rede de computadores de um governo estrangeiro.  Na última semana, o Pentágono foi alvo do maior ataque cibernético contra o governo americano em todos os tempos, informou o jornal Financial Times na terça, 4. O ataque contra um sistema de e-mails, realizado em julho, forçou o desligamento da rede por membos do departamento de segurança. Logo após a denúncia do FT, a China negou que hackers a serviço das Forças Armadas tinham invadido os computadores do Pentágono, classificando essa acusação de produto do pensamento da Guerra Fria.  O jornal ressaltou também que os hackers chineses roubaram dados do departamento do secretário Robert Gates. A chanceler (primeira-ministra) da Alemanha, Angela Merkel, citou relatos de infiltrações chinesas em computadores do governo alemão em um encontro com Wen Jiabao, o premiê chinês, em uma visita a Pequim.  A China se esquivou das reportagens alemãs e agora rejeitou completamente as acusações dos EUA. "O governo chinês se opõe constantemente e ataca vigorosamente de acordo com a lei todos os crimes via Internet, incluindo as invasões", disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Jiang Yu, na última terça. O Pentágono alertou no início deste ano que o exército chinês está usando o hacking como arma de ataque. Um documento da Defesa dos EUA citou exercícios militares de Pequim envolvendo "ataques preliminares contra redes de computadores inimigas".

Tudo o que sabemos sobre:
HackerReino UnidoChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.