Reprodução
Reprodução

Hackers invadiram e-mails de Gordon Brown

Investigadores da polícia buscavam provas em cerca de 20 computadores confiscados

REUTERS

02 de janeiro de 2012 | 11h22

LONDRES - A polícia britânica encontrou indícios de que detetives particulares a serviço de jornais britânicos invadiram a conta de email do ex-primeiro-ministro Gordon Brown quando ele era ministro das Finanças, disse o jornal The Independent nesta segunda-feira, 2.

Outras centenas de pessoas podem ter tido seus emails interceptados, talvez no mesmo número das que foram pegas no escândalo de escutas telefônicas no hoje extinto News of the World, da News International, disse o jornal.

Investigadores da polícia buscavam provas em cerca de 20 computadores confiscados de detetives particulares, segundo o jornal.

A equipe na sede da Scotland Yard de Londres estuda a possibilidade de que várias empresas jornalísticas contrataram detetives particulares para acessar os computadores, disse o Independent, citando uma fonte anônima.

Os e-mails de Brown vasculhados eram da época em que ele era ministro das Finanças da Grã-Bretanha, antes de se tornar primeiro-ministro em 2007.

A Polícia Metropolitana disse que não daria declarações sobre a reportagem.

"Não estamos prontos para fazer uma declaração sobre esta investigação", disse um porta-voz.

A News International, o braço de jornais britânicos da News Corporation de Rupert Murdoch, também não quis fazer comentários.

O grupo fechou o News of the World em julho de 2011 depois que surgiram evidências de que detetives que trabalhavam para o jornal haviam invadido as caixas postais de celulares de celebridades, políticos e até mesmo de vítimas de assassinatos.

Esse é o único jornal que admitiu as escutas telefônicas, embora alguns jornalistas e celebridades digam que a prática era disseminada na imprensa marrom.

Tudo o que sabemos sobre:
GRABRETANHAHACKERSGORDON BROWN

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.