Michael Kooren/Reuters
Michael Kooren/Reuters

Holanda lamenta morte de ao menos 61 cidadãos em queda de avião na Líbia

Lista de passageiros ainda não foi divulgada; no total, 103 pessoas morreram no acidente

Associated Press,

12 Maio 2010 | 18h24

AMSTERDÃ- A Holanda ficou de luto nesta quarta-feira, 12, chocada com as mortes de ao menos 61 cidadãos holandeses que voltavam de suas férias no avião da África do Sul que caiu no deserto da Líbia, próximo a Tripoli.

 

Veja também:

linkGaroto holandês sobrevivente de queda de avião é operado na Líbia

linkAvião cai na Líbia e deixa 103 mortos; garoto de 10 anos sobrevive

 

Um menino de 10 anos, o único sobrevivente da tragédia, foi enviado a um hospital na capital líbia para ser operado imediatamente por múltiplas fraturas nas duas pernas, de acordo com oficiais.

 

Autoridades libanesas e o conselho de turismo holandês afirmaram que a criança é holandesa, mas o Ministério de Relações Exteriores não pôde confirmar a informação, no aguardo de que algum oficial da embaixada visite o hospital e converse com o garoto.

 

O chanceler holandês, Maxime Verhagen, disse que se supõe "que ele é holandês porque ele disse 'holanda, Holanda' ao médico que está o tratando, e o doutor passou a informação ao consulado holandês.

 

As bandeiras holandesas foram baixadas e a campanha para as eleições parlamentares de 9 de junho foram suspensas em respeito aos mortos. A quinta-feira já é normalmente um dia religioso, o "dia da Elevação", no qual a maioria dos bancos, escritórios e comércios ficam fechados.

 

Centenas de pessoas ligaram para números de emergência do Ministério de Relações Exteriores para saberem de parentes, amigos, ou apenas para constatar se alguém de sua cidade estava no voo.

 

Entre as 104 pessoas a bordo, estavam turistas holandeses que iam para a África do Sul em dois grupos, um de 38 pessoas, e outro de 24. A chancelaria holandesa não pôde confirmar se isso significa que 62 holandeses estavam no voo.

 

13 horas após a queda, o primeiro-ministro holandês, Jan Peter Balkenende, se disse frustrado com a escassa informação que chega da Líbia, inclusive a da lista de passageiros. "Nós ainda não temos a informação exata de que precisamos", disse em uma entrevista. "As coisas ainda estão sendo descobertas, e nós estamos nessa fase".

 

A companhia aérea Afriqiyah Airways ofereceu passagens grátis à Líbia para os familiares das vítimas, mas o governo holandês alertou as pessoas a não viajarem ao país, sob a justificativa de que membros da família serão mais úteis identificando os restos mortais quando eles chegassem.

 

A África do Sul é um destino popular para turistas holandeses, especialmente durante as férias escolares da primavera, e a Afriqiyah Airways oferece as passagens mais baratas para Johanesburgo.

Mais conteúdo sobre:
Holanda queda avião acidente Líbia Tripoli

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.