Holandeses votariam contra o Tratado de Lisboa, diz pesquisa

Assim como na Irlanda, se fosse realizado um referendo na Holanda 54% diriam 'não' ao acordo da UE

Ansa,

17 de junho de 2008 | 16h53

A maioria da população holandesa estaria disposta a votar contra o Tratado de Lisboa, assim como ocorreu na Irlanda na semana passada, segundo uma pesquisa feita pela sociedade Maurice de Hond e divulgada nesta terça-feira, 17. Com base nos dados obtidos, se fosse realizado hoje um referendo na Holanda, 54% dos cidadãos diriam "não" ao texto de reforma da União Européia. Veja também:UE defende continuidade da ratificação do Tratado de LisboaEntenda o referendo na Irlanda e o Tratado de Lisboa A pesquisa holandesa indica também que 56% dos cidadãos do país desejariam que a ratificação do Tratado de Lisboa acontecesse por meio de referendo, exatamente como ocorreu agora na Irlanda (único dos 27 membros da UE que previa a consulta popular ao invés de uma votação em Parlamento para aprovar o texto) e como aconteceu em 2005, na própria Holanda. O Tratado de Lisboa foi fechado em outubro de 2007 como proposta alternativa à Carta Constitucional de 2005, inviabilizada justamente pela Holanda, ao lado da França, que não bloquearam o texto por meio de referendo popular.  Instaurada a crise, o projeto da UE precisou ser abandonado para que os países europeus avaliassem a situação e reformulassem a proposta do bloco. Situação parecida enfrenta-se agora, com a rejeição do povo irlandês. No último dia 5 de junho, a Câmara dos Deputados holandesa aprovou o novo tratado, que agora espera votação no Senado, marcada para o próximo dia 8 de julho.  Diante do "não" irlandês, o premier da Holanda, Jan Peter Balkenende, garantiu que seu país levará adiante o processo de ratificação do Tratado de Lisboa, malgrado outros grupos políticos e setores da sociedade, que prefeririam uma decisão por referendo.

Tudo o que sabemos sobre:
Tratado de LisboaUEHolanda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.