Homem que diz ser da Al-Qaeda faz reféns na França

Em março, um atirador também inspirado pela organização matou sete pessoas em Toulouse

estadão.com.br,

20 de junho de 2012 | 07h37

Texto atualizado às 11h30

TOULOUSE - Um homem que afirma ser membro da Al-Qaeda fez quatro reféns em um agência bancária na cidade francesa de Toulouse, no sudoeste do país, disse uma fonte da polícia nesta quarta-feira, 20.

Veja também:

linkPai do assassino de Toulouse apresenta denúncia pela morte do filho

linkIslamitas planejavam sequestrar juiz na França

linkJustiça francesa vincula islamitas detidos à Al Qaeda

O sequestrador, que tinha entrado entre as 11h e 11h30 locais (6h e 6h30 de Brasília) na filial do banco CIC na Rua Camille Pujol, além de identificar-se como membro da Al Qaeda, reivindicou a presença da tropa de elite da polícia francesa, o RAID, detalhou um repórter da rádio.

Veja fotos:

Esse jornalista indicou que as forças da ordem haviam estabelecido um perímetro de segurança ao redor do banco, que se encontra a algumas centenas de metros do local onde o RAID matou no último mês de março Mohammed Merah, o assassino de sete pessoas em Toulouse e seus arredores, que se declarava integrante da mesma rede terrorista islâmica.

Um representante da polícia local acrescentou em declarações ao jornal "Ouest France" que ainda não se sabe se a reivindicação de pertencer à Al Qaeda é "séria" ou se o criminoso tentou assaltar o banco e a situação degenerou em um sequestro.

Segundo o site "La Dépêche du midi", o homem teria tirado sua pistola depois que um funcionário se negasse a entregar-lhe o dinheiro.

Os estabelecimentos dos arredores foram fechados uma escola primária e um instituto nas cercanias foram evacuados, além do apartamento situado no andar superior dessa filial bancária.

O prefeito governador do departamento de Alto Garonne, do qual Toulouse é a capital, estava nos arredores da filial de CIC, onde até esse momento não haviam chegado os agentes do RAID.

Com Reuters e Efe

Mais conteúdo sobre:
AtiradorrefénsFrançaAl-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.