Imã extremista é condenado a cinco anos de prisão na França

Líder é acusado de planejar os atentados de um grupo terrorista conhecido como 'as redes chechenas'

Efe,

19 de novembro de 2007 | 15h15

O antigo imã extremista Chelali Benchellali, expulso pela França para a Argélia no ano passado, foi condenado nesta segunda-feira, 19, a cinco anos de prisão, sem direito à condicional, pelo Tribunal de Apelação de Paris. Ele era julgado pelos supostos planos de atentados de um grupo terrorista conhecido como "as redes chechenas". A sentença é mais que o dobro da ditada em primeira instância - dois anos, dos quais 18 meses isentos de cumprimento - em junho de 2006 pela participação do imã em uma rede islâmica acusada de ter planejado atentados terroristas na França. O antigo imã da localidade de Venissieux, nos arredores de Lyon, sudeste da França, tinha recorrido da sentença. Ele foi expulso para a Argélia em virtude de uma ordem de expulsão emitida em janeiro de 2004, que foi confirmada em julho de 2005, por seus sermões de incitação à violência e ao ódio racial. Dois de seus filhos foram condenados à prisão no mesmo julgamento, enquanto um terceiro passou vários anos detido na base americana de Guantánamo, em Cuba. Além de condenar o imã a cinco anos de prisão, o Tribunal de Apelação emitiu uma ordem de detenção contra ele e proibiu Benchellali de residir na França após o cumprimento da sentença.

Tudo o que sabemos sobre:
Chelali BenchellaliFrançaterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.