Imigração beneficia Europa, diz comissário da UE

Franco Frattini adianta que organização deve propor visto permanente para repor mão-de-obra qualificada

BBC Brasil, BBC

13 de setembro de 2007 | 15h24

O comissário de Justiça da União Européia, Franco Frattini, disse nesta quinta-feira, 13, que os governos europeus não deveriam considerar a imigração como uma ameaça, mas sim como um 'enriquecimento' para o continente. Frattini antecipou ainda que ele deve propor em outubro a adoção de um sistema de "blue card" para imigrantes com qualificação profissional, nos moldes do visto oferecido pelos Estados Unidos.   "A falta de mão-de-obra especializada já é visível em alguns setores e esse número só tende a aumentar" disse o comissário, que acrescentou ainda que a Europa só absorve 5% dos imigrantes qualificados, ao contrário dos EUA, que recebem 55%.   Frattini argumenta constantemente que a Europa necessita de políticas que encorajem a imigração legal e previna a entrada ilegal no continente.   Entretanto, os planos do comissário europeu podem enfrentar a resistência de alguns países membros do bloco, que pretendem manter o seu controle nacional de entrada de imigrantes.   Nova visão   Pesquisas de opinião sugerem que quatro entre dez cidadãos europeus acreditam que imigrantes têm uma grande contribuição para a sociedade. Frattini acredita que o bloco precisa de uma "nova visão" sobre o assunto.   Cerca de 4% da população que vive na Europa é formada por imigrantes.   Segundo Frattini, a população economicamente ativa européia deve enfrentar um declínio até 2011 e, até 2050, um terço do bloco terá idade superior aos 65 anos.   "Todas as especialidades são necessárias. O desafio é atrair os profissionais necessários para preencher setores específicos", disse.   O blue card poderia autorizar trabalhadores especializados a viver e trabalhar em qualquer Estado da União Européia por um período de dois anos. Posteriormente, o imigrante poderia mudar para outro país do bloco.

Tudo o que sabemos sobre:
ImigraçãoUnião EuropéiaEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.