Imigrantes enfrentam polícia em ato contra racismo na Itália

Após ataque de gangue de jovens brancos a agricultores, africanos queimam carros e vitrines na Calábria

Reuters,

08 de janeiro de 2010 | 10h04

Policial enfrenta imigrante durante protesto na Calábria. Foto: Adriana Sapone/AP

ROMA - Um protesto de imigrantes na Calábria, sul da Itália, deixou carros queimados e vitrines de lojas quebradas na noite de quinta-feira, 8. Os manifestantes protestaram contra um ataque a um grupo de agricultores africanos por uma gangue de jovens brancos. Houve confronto com a polícia e há dezenas de feridos.

Imagens de televisão mostraram um grupo de imigrantes destruindo carros com barras de ferros e pedras e erguendo barricadas. De acordo com a polícia, um dos veículos foi atacado com passageiros dentro.

Os imigrantes gritavam "Não somos animais" e carregavam faixas nas quais acusavam os italianos de racismo.

O governador da Calábria admitiu que a ação dos imigrantes aconteceu devido a uma 'forte provocação', mas classificou a violência de injustificável.

Ao menos 1,5 mil trabalhadores vindos da África colhem frutas e vegetais nas fazendas da região. Eles vivem em fábricas abandonadas sem água e eletricidade. De acordo com algumas organizações de direitos humanos, eles são explorados pelo crime organizado.

O governo do premiê Silvio Berlusconi adotou uma linha dura contra a imigração ilegal. Muitos barcos que tentam atravessar o Mediterrâneo vindos do norte da África são obrigados a dar meia volta.  

Tudo o que sabemos sobre:
Itáliaimigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.