Incêndios na Grécia devem durar ao menos mais quatro dias

Mais de uma semana após início das chamas, dois focos de incêndios continuam ativos

ROBIN POMEROY E LEFTERIS PA, REUTERS

01 de setembro de 2007 | 13h47

Os bombeiros esperam conseguir controlartotalmente os piores incêndios florestais da história da Grécianos próximos quatro dias, afirmou a brigada anti-incêndio nestesábado. Mais de uma semana após o início das queimadas quedestruíram áreas de todo o país, matando ao menos 63 pessoas eforçando milhares a deixarem suas casas, dois focos deincêndios continuavam ativos. Ambos, no sul da península do Peloponeso, poderiam estarsob controle em questão de dias, segundo um porta-voz dosbombeiros. "Minha estimativa é de que se não houver novos focosteremos o incêndio em Arcádia sob controle em dois dias, e oincêndio nas montanhas de Parnonas em cerca de quatro dias",disse Nikos Diamantis à Reuters. Temperaturas que chegam aos 40 graus Celsius e ventosfortes prejudicavam a luta contra os incêndios, que tambématingiam ainda a ilha de Evia, a leste de Atenas. "Hoje é um dia muito perigoso, porque temos uma pequenaonda de calor", afirmou Diamantis. "A partir de amanhã,esperamos uma pequena queda na temperatura, mas os fortesventos deverão continuar." O primeiro-ministro Costas Karamanlis, que enfrentaeleições no dia 16 de setembro, visitou as áreas devastadascomo o presidente da Comissão Européia, José Manuel Barroso. "Um problema grego é um problema europeu e, acima de tudo,é uma tragédia humana", disse Barroso, acrescentando quererenviar uma mensagem de esperança: "Agora podemos reconstruir oque foi destruído". CULPA As estimativas sobre os danos à economia variam entre 1,2bilhão e 4 bilhões de euros. A Comissão Européia disse que daráaté 200 milhões de euros a um "fundo de solidariedade". Nos primeiros dias, muitos moradores das localidadesatingidas tiveram que combater o fogo sozinhos, e o partidosocialista de oposição PASOK criticou duramente a resposta deKaramanlis ao desastre. Karamanlis, que culpou incendiários, fez um apelo pelaunião nacional. Seu governo doou ao menos 107 milhões de eurospara compensações até agora. As últimas pesquisas de opinião mostram que seu partido, oNova Democracia, mantém uma vantagem de cerca de 2 pontospercentuais sobre o PASOK, mas o apoio para ambos caiu desde oinício dos incêndios. A União Mundial para a Conservação (IUCN na sigla eminglês), uma rede global de Estados e grupos não-governamentaisbaseada em Genebra, disse que o planejamento rural inadequadohavia tornado os incêndios praticamente inevitáveis. "A Grécia... continuará a enfrentar estas crises ano apósano até que questões legais e institucionais relacionadas aodesenvolvimento agrário, a mudanças demográficas na área rurale ao colapso das práticas de produção agrícola tradicionaissejam resolvidas", disse Bill Jackson, da IUCN.

Tudo o que sabemos sobre:
GRECIAINCENDIOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.