Índia e Rússia assinam parceria estratégica e novos acordos de defesa

A Índia assinou nesta segunda-feira acordo para comprar dezenas de helicópteros militares russos e conjuntos para montagem de jatos Sukhoi em uma reunião de cúpula em Nova Délhi, onde os líderes de ambos os países reafirmaram compromisso com uma aliança estratégica.

Reuters

24 de dezembro de 2012 | 11h35

A Índia, um dos principais clientes das armas de Moscou, afirmou que ambos os lados também estabeleceram acordo para criarem uma joint-venture para a fabricação de helicópteros e um fundo de 2 bilhões de dólares para investir em projetos de cooperação comercial e econômica.

"A Rússia é um importante parceiro em nossos esforços de modernização de nossas forças armadas", disse o premiê indiano, Manmohan Singh, em pronunciamento. Singh afirmou que o presidente russo, Vladimir Putin, é um "amigo valioso e arquiteto original da parceria estratégica Índia-Rússia".

A viagem de um dia de Putin à Índia, sua primeira ao país desde que iniciou em maio um novo mandato de seis anos no Kremlin, ressalta o interesse de Moscou sobre a Índia, há tempos uma aliada regional e agora parceira no grupo de países emergentes conhecido como Brics, do qual também participa o Brasil.

Fontes da indústria militar da Rússia afirmaram que a visita pode produzir acordos para a venda de jatos de combate e motores de aviões avaliados em mais de 7,5 bilhões de dólares. Entretanto, os principais acordos assinados, parecem ter ficado aquém da expectativa.

Fontes no Kremlin afirmaram que a Rússia vai vender à Índia 71 helicópteros militares MI-17 V-5, avaliados em 1,3 bilhão de dólares, bem como kits para montagem de 42 jatos Sukhoi SU-30MKI, avaliados em 1,6 bilhão de dólares. O Ministério de Relações Exteriores da Índia afirmou que o acordo original para os jatos foi assinado no ano passado.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447753))

REUTERS AAJ GB

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAINDIAACORDODEFESA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.