Índices de aprovação a Sarkozy revertem tendência de queda

O presidente da França, Nicolas Sarkozy,conseguiu reverter a tendência de queda de seus índices depopularidade, afirmou uma pesquisa divulgada na segunda-feira,mostrando que a aprovação ao líder francês aumentou após arecente visita dele à Grã-Bretanha. A pesquisa do instituto LH2 publicada no jornal Libérationdisse que os índices de aprovação a Sarkozy subiram para 40 porcento em março, contra 37 por cento em fevereiro, colocando fima um período de três meses de escorregões consecutivos. A enquete ocorreu nos dias 28 e 29 de março, pouco depoisde o líder francês e a mulher dele, Carla Bruni, terem chegadode uma visita oficial à Grã-Bretanha, onde foram recebidos comtoda a gala e pompa. "A espiral anti-Sarkozy chegou ao fim", disse FrançoisMiquet-Marty, diretor de análises do LH2. "A estabilização dosíndices de aprovação dá-se no contexto da'represidencialização' da imagem dele." Apesar de a popularidade de Sarkozy ter aumentado um pouco,a do primeiro-ministro dele, François Fillon, caiu mais trêspontos percentuais, para 50 por cento. Os índices de aprovação ao presidente atingiram um ápice de67 por cento em julho passado, dois meses depois de ter tomadoposse, para logo em seguida, nas pesquisas subsequentes, caíremum total de 17 pontos percentuais, entre dezembro e fevereiro. Especialistas responsabilizaram a perda de popularidade aodescontentamento geral dos eleitores com o crescente custo devida na França e às críticas ao estilo de vida de Sarkozy, algoque, para muitos, estava mantendo o político afastado de suasobrigações. O presidente divorciou-se em outubro passado e, poucassemanas depois, deu início a um romance relâmpago com a popstar Carla Bruni, o que gerou críticas na França, em especialdentro do eleitorado mais velho e mais tradicional. Sarkozy casou novamente em fevereiro e sua nova mulherbrilhou na visita à Grã-Bretanha, conquistando elogios dosmeios de comunicação franceses e britânicos por sua elegância. O presidente também adotou, de forma claramente deliberada,uma postura mais sóbria, deixando de usar seus óculos escurosda marca Ray Ban e diminuindo as atividades de sua agenda. A pesquisa do LH2 disse que os índices de aprovação aSarkozy melhoraram entre os eleitores mais velhos, subindo 10pontos percentuais, para chegar a 60 por cento. Essa fatia do eleitorado mostrou-se fundamental para avitória do presidente nas eleições de 2007, e os assessores dolíder francês mostram-se particularmente preocupados com ainsatisfação dos aposentados atualmente. O descontentamento dos eleitores ficou evidente no pleitomunicipal de março, no qual a oposição esquerdista conquistou ocontrole de várias cidades de toda a França.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.