Inglaterra aceita extradição de clérigo islâmico para os EUA

Abu Hamza al-Masri enfrenta 11 acusações no país, e se condenado pode pegar até 100 anos de prisão

Reuters,

07 de fevereiro de 2008 | 17h56

A Inglaterra aceitou nesta quinta-feira, 7, extraditar o clérigo radical islâmico Abu Hamza al-Masri para os Estados Unidos, onde ele encara acusações de terrorismo ligadas a organização de um acampamento da Al-Qaeda. O Ministério do Interior ratificou a decisão tomada em 15 de novembro de 2007, quando um juiz disse que não há nada que evite que o egípcio Hamza, de 49 anos, seja enviado para os Estados Unidos para enfrentar a justiça. "Esta foi uma decisão tomada nos interesses da justiça", declarou um porta-voz do Ministério do Interior. Hamza tem 14 dias para apelar para a Suprema Corte.  Hamza, que diz aprovar os ataques de 11 de Setembro, também enfrenta uma acusação pela suposta participação no seqüestro de 16 turistas ocidentais no Iêmen em 1998, que acabou com a morte de quatro reféns. Os Estados Unidos acusam o clérigo de organizar no território americano um campo em Bly, Oregon, para formar combatentes para lutar na guerra do Afeganistão, em 2001, e também para fornecer suporte para a Al-Qaeda e o Taliban. Hamza enfrenta 11 acusações no total nos Estados Unidos e caso condenado pode pegar até 100 anos na prisão. O clérigo cumpre na Inglaterra uma pena de sete anos por incitar o assassinato e o ódio racial.

Tudo o que sabemos sobre:
InglaterraHamzaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.