Inimigo do Kremlin é impedido de disputar as eleições na Rússia

O ex-primeiro ministro da Rússia MikhailKasyanov foi impedido neste domingo de disputar as eleiçõespara presidente que acontecerão em março, algo que eleconsidera ser uma manobra para bloquear qualquer desafio realpara o candidato do líder do Kremlin, Vladimir Putin.A decisão da Comissão de Eleição deve ampliar ainda mais ascríticas dos oponentes do Kremlin de que a eleição do dia 2 demarço não será justa. A oposição diz que há uma tendência emfavor de Dmitry Medvedev, 42, o primeiro vice-primeiro-ministroque Putin apóia para sua sucessão. Kasyanov, que tinha poucas chances de vencer a eleição,disse que a Rússia sob a administração Putin estava agora em"uma rampa escorregadia para um totalitarismo desonesto",incentivando os cidadãos a boicotarem as eleições. A Comissão votou, por unanimidade, recusar o registro deKasyanov, 50 anos, alegando que as centenas de milhares deassinaturas que ele colheu para apoiar sua candidatura foramforjadas ou estavam incorretas . Kasyanov negou que as assinaturas fossem inválidas e disseque Putin tomou a decisão pessoalmente de barrar suacandidatura. "As autoridades estão com medo de uma luta aberta", disseKasyanov a jornalistas no sul de Moscou. "As autoridades estãoassustadas com as pessoas, então me impedem de concorrer". "Eu peço aos cidadãos para não votarem, não fazerem partedessa farsa", disse ele. A eleição será monitorada pelos Estados Unidos e a UniãoEuropéia após observadores internacionais afirmarem que no anopassado que a eleição parlamentar foi distorcida porinterferências das autoridades. Autoridades do Kremlin disseram que querem uma votaçãojusta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.