Insurgência islâmica da Rússia diz não estar em guerra com Washington

Um grupo que lidera uma insurgência islâmica contra a Rússia disse neste domingo que não está em guerra com os Estados Unidos, se distanciando do bombardeio da Maratona de Boston na semana passada.

Reuters

21 de abril de 2013 | 12h38

O checheno Tamerlan Tsarnaev, de 26 anos, que foi morto em um tiroteio com a polícia após uma perseguição na sexta-feira, e seu irmão mais novo Djokhar, 19, são suspeitos de realizar o ataque na semana passada.

Uma viagem que Tsarnaev fez no ano passado para a volátil região do norte do Cáucaso tem despertado suspeitas de que ele poderia ter feito contato com grupos militantes engajados com a violência diária para estabelecer um Estado islâmico na região.

Um comunicado dos militantes que operam no Daguestão, onde os irmãos passaram um tempo quando crianças, informou que o grupo insurgente Emirado Cáucaso, liderado pelo homem mais procurado da Rússia, Doku Umarov, não estava atacando os EUA.

"Estamos lutando com a Rússia, que é responsável não só pela ocupação do Cáucaso, mas por monstruosos crimes contra os muçulmanos", disse o comunicado.

A insurgência tem raízes em dois conflitos que tropas russas travaram contra os separatistas chechenos após a queda da União Soviética.

(Reportagem de Thomas Grove)

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAINSURGENTESBOSTON*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.