Irlanda do Norte prende apenas sete desde início de distúrbios em Belfast

Confrontos são relacionados às divergências entre católicos e protestantes no país

estadão.com.br

15 de julho de 2010 | 10h47

 

BELFAST - Sete pessoas foram presas na durante a semana me Belfast, na Irlanda do Norte, por conta da onda de violência que tomou conta das ruas desde o início da semana, informa nesta quinta, 15, o jornal britânico The Guardian.

 

Dois homens de 25 e 35 anos foram levados para uma delegacia para serem interrogados a respeito de uma possível ligação com disparos feitos contra policiais em um dos confrontos na capital norte-irlandesa na segunda-feira. Um outro homem, de 20 anos, deve comparecer à corte por perturbar a ordem no mesmo dia.

 

Na quarta, o quarto dia consecutivo de noites turbulentas em Belfast, a Polícia usou jatos d'água e balas de borracha para dispersar os manifestantes. Estes, por sua vez, incendiaram um carro e atiraram fogos de artifício e bombas incendiárias. Dois homens foram presos.

 

A Polícia norte-irlandesa disse que vários policiais ficaram feridos durante os conflitos, mas que nenhum deles ficou ferido. O chefe do comitê policial da Assembleia da Irlanda do Norte, o lorde Morrow, criticou o baixo número de detenções realizadas por conta dos distúrbios e dos tiroteios.

 

Motivações

 

Os confrontos são relacionados às divergências entre católicos e protestantes na Irlanda do Norte. A violência ocorreu em bairros católicos da classe média de Belfast e em outras cidades. Em seguida, milhares de protestantes marcharam em 18 pontos da Irlanda do Norte, em uma demonstração anual de força. Foram os piores distúrbios no país em um ano.

 

A Polícia diz que os manifestantes violentos são influenciados por dissidentes do Exército Republicano Irlandês (IRA) contrários a um compromisso para pacificar o país. Os dissidentes do IRA têm tentado nos últimos meses armar emboscadas para policiais, com pouco sucesso até agora.

Tudo o que sabemos sobre:
BelfastdistúrbiosIrlanda do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.