Islândia deve apontar gay assumida como premiê

Ministra de Assuntos Sociais, Johanna Sigurdardottir deve ser nomeada interinamente nos próximos dias

Agência Estado e Associated Press,

28 de janeiro de 2009 | 12h50

A Islândia deve nomear a primeira mulher assumidamente homossexual como primeira-ministra interina do país. Johanna Sigurdardottir, de 66 anos, é uma ex-aeromoça que ganhou espaço na administração pública e hoje é ministra. Johanna é ministra de Assuntos Sociais e o nome preferido pelo Partido Aliança Social-Democrata para comandar o governo interino. O governo liderado pelos conservadores do país caiu na segunda-feira após os bancos do país entrarem em colapso por causa das grandes dívidas contraídas durante anos de rápido crescimento econômico. A moeda do país se desvalorizou muito, enquanto a inflação e o desemprego aumentam. O nome de Johanna deve ser confirmado nos próximos dias pela nova coalizão da aliança e do movimento Esquerda-Verde. Ela deve liderar a coalizão até as eleições gerais, previstas para maio. "Ela é uma antiga parlamentar, ela é respeitada e amada por todos na Islândia", afirmou o Ministro do Meio Ambiente, Thorunn Sveinbjarnardottir, do mesmo partido Aliança. Para os conservadores, as visões de esquerda da ministra não ajudarão a economia nacional. "Johanna é uma mulher muito boa, mas ela gosta de gasto público, ela aumentará impostos", disse Geir Haarde, que deixou o cargo de primeiro-ministro na segunda-feira, alegando razões de saúde. Os islandeses estão muito descontentes com o governo por não regular adequadamente os bancos do país e levar o antes próspero país a sérias dificuldades econômicas.

Tudo o que sabemos sobre:
Islândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.