Itália aprova reforma universitária polêmica

O Senado italiano deu na quinta-feira a aprovação definitiva do Parlamento à reforma do sistema universitário, o que reduzirá em pelo menos 300 milhões de euros o orçamento para o ensino superior em 2011. A medida tem provocado protestos estudantis enormes e eventualmente violentos.

REUTERS

23 de dezembro de 2010 | 21h21

"Hoje é um bom dia para o país e para as universidades da Itália, e é uma grande oportunidade para os estudantes que são os verdadeiros beneficiários, inclusive aqueles que tanto têm protestado", disse a ministra da Educação, Mariastella Gelmini.

O governo afirma que a reforma cria um sistema mais baseado no mérito e mais voltado para a formação profissional. Além disso, ela representa uma economia para os cofres públicos num momento de fortes restrições fiscais.

Na semana passada, estudantes incendiaram carros e quebraram vitrines durante protestos, e dezenas de pessoas ficaram feridas em confrontos com a polícia no centro de Roma, nos incidentes mais graves na cidade em vários anos.

Após dois dias de acalorado debate, o Senado aprovou a reforma por 161 a 98 votos. Antonio Di Pietro, líder do partido oposicionista Itália de Valores, disse que a reforma "desregulamenta o direito ao estudo, que deveria ser garantido para todos", e constitui "mais uma página negra escrita por este governo".

(Reportagem de Gavin Jones)

Tudo o que sabemos sobre:
ITALIAREFORMAAPROVADA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.