Itália convoca Espanha para esclarecer críticas sobre imigração

Para Roma, declarações de que políticas migratórias italianas seriam medidas xenófobas são imprudentes

Ansa e Reuters,

19 de maio de 2008 | 13h22

O chanceler da Itália, Franco Frattini, solicitou nesta segunda-feira, 19, ao embaixador italiano em Madri, Pasquale Terracciano, a convocação de um encontro interministerial para ilustrar "aos colegas espanhóis aquilo que desconhecem" sobre a política de imigração do novo governo italiano, liderado pelo bilionário conservador Silvio Berlusconi. Recentemente, alguns membros do governo do primeiro-ministro espanhol José Luis Rodriguez Zapatero lançaram críticas às medidas e atuação do novo governo italiano, no que diz respeito à política de imigração que está em estudo na Itália.   Na semana passada, a Espanha repreendeu o governo italiano por sua restrição a suspeitos de imigração ilegal, classificando a prisão de centenas de estrangeiros como um ato racista e xenófobo. A declaração foi uma resposta à prisão 268 estrangeiros como parte de uma operação de duração de uma semana, sendo que 53 foram levados à fronteira para serem expulsos do país. A vice-presidente espanhola, María Teresa Fernández de la Vega, declarou que não concordava com a "política de expulsões" do país e, no domingo, o ministro do Trabalho, Celestino Corbacho, acusou o governo Berlusconi de discriminar imigrantes. Todas as declarações foram consideradas "imprudentes" pelo chanceler italiano e pelo governo de Berlusconi, que inclui em sua coalizão a Liga Norte, partido de extrema direita.   Frattini afirmou ainda que o governo espanhol adota uma política de imigração dura que a Itália poderia tomar como "exemplo" e afirmou que o premiê espanhol "expulsou dezenas de milhares de pessoas com métodos muito severos. Seu rigor diminuiu em 70% a imigração clandestina das Ilhas Canárias." O ministro de Relações Exteriores disse ainda que está convencido de que Zapatero saberá "explicar e dar ordens para que seus ministros evitem esse tipo de declaração polêmica inutilmente". Para ele, a reunião é um passo necessário porque as declarações de representantes do governo espanhol, "além de desagradáveis, são fruto da falta de conhecimento das iniciativas do governo de Berlusconi sobre este tema".   Os comentários foram a última troca de farpas entre o governo socialista da Espanha e a administração direitista de Silvio Berlusconi. Ambos os governos foram recentemente reeleitos. Berlusconi irritou as autoridades espanholas no mês passado ao classificar o novo gabinete formado como "muito rosa", pela maioria de membros do sexo feminino.   O primeiro-ministro italiano voltou ao poder para um terceiro mandato prometendo restringir a presença de imigrantes ilegais, a quem ele culpa pela violência no país. Em oposição, o premiê José Luis Rodriguez Zapatero foi amplamente criticado em 2005 por agir de forma muito branda em relação à imigração, depois de conceder a anistia a aproximadamente 700 mil trabalhadores ilegais em uma tentativa de trazê-los para a rede de impostos.

Tudo o que sabemos sobre:
EspanhaItáliaimigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.